Vitória de Santo Antão é um município brasileiro do estado de Pernambuco.

Economia

Indústria

Os empreendimentos de pequeno porte são maioria no município, mas destacam-se como grandes indústrias: a Industrial de Vidros pertencente ao grupo Owens-Illinois (O-I); a Sadia, detentora de uma fatia considerável do mercado brasileiro de produtos derivados de animais; a Destilaria JB, grande produtora de álcool e açúcar; Isoeste, grande fabricante de telhas térmicas do país; Pitú, conhecida internacionalmente pela aguardente que produz, e que é a principal referência industrial de Vitória de Santo Antão, por sua tradição.

A grande Kraft Foods, segunda maior no segmento de alimentos no Mundo, por produzir os Sucos Tang, Fresh e Maguary, Chocolates da Lacta, Afermentado em Pó Royal entre outros. Outros são frutos ilustres da cultura canavieira que caracteriza a agricultura e, consequentemente, a influencia a indústria na Zona da Mata pernambucana. Alem dessas algumas outras estão em fases de construção, como a Elcomma Computadores, Ventisol Ventiladores, Tintas Anjo (Já inaugurada), Metalfrio Refrigeradores, Nordeste tintas, Arxo, Converplast, Docile, Donafiló, Eurobras,Celite, Fante (Produtora do Vinho Quinta do Morgado), Yahgsu construções e incorporações ltda, Mc bauchemie, além de um moderno shopping, o Vitória Park Shopping, que contará com um hotel com 100 apartamentos integrado.

A prefeitura do município criou uma extensa área para a implantação desses empreendimentos, é o Parque Industrial José Augusto Ferrer de Morais que tem tornado a cidade um destino constante de grandes investimentos.

Comércio

O comércio de Vitória destaca-se também no ramo automobilístico, com vendas de peças de motos, carros e fabricação de trios elétricos para todo o país. O comércio de Vitória possui um leque em oportunidades e sortimentos para a população, tornando-se praticamente independente da capital pernambucana, devendo ter um grande acréscimo com a chegada do VITÓRIA PARK SHOPPING
A Feira Livre: situada nas ruas adjacentes à Praça Duque de Caxias e da Rua André Vidal de Negreiros e funcionando de segunda a sexta e geralmente com maior movimentação aos sábados, a feira livre de Vitória constitui-se hoje, pela comercialização por profissionais autônomos de artigos de confecção, produtos agrícolas, matérias e utensílios domésticos e artesanato, importante ponto comercial da cidade.

Diversificação agrícola: a feira Livre de Vitória é uma das que possuem a maior diversificação de produtos da região, vindo pessoas inclusive de outros municípios circunvizinhos: Gloria do Goitá, Escada, Pombos, para comercializar seus produtos na feira.

Problema: o grande problema da feira livre de Vitória hoje é seu crescimento desordenado. São barracas de alvenarias ou madeira, situadas principalmente ao redor do antigo Mercado de Cereais, impossibilitando muitas vezes a passagem de pessoas. Outro problema também, é a invasão dos comércios informais sobre as calçadas do comércio da cidade, impossibilitando a passagem de pedestres. Temos que levar em consideração a falta de infraestrutura e a falta de investimentos no turismo e a rede hoteleira que deixa a desejar a quem esta afim de curtir.

Agricultura

Na agricultura: constantemente técnicos e cientistas da UFRPE analisam a agricultura local trazendo novas técnicas de plantio para pequenos agricultores da região.

Em destaque: Natuba e Pirituba, com o plantio de frutas verduras e hortaliças, abastecendo não só Vitória como também a capital pernambucana e outras regiões. Outro destaque é o Instituto Federal de Pernambuco (Antiga Escola Agrotécnica Federal), que tem como objetivo capacitar a nível técnico jovens não só de Vitória como também de toda a região.

Um outro destaque na agricultura fica por conta do plantio de cana de açúcar e na fabricação de álcool e açúcar nas usinas do município.

Educação

A cidade se destaca por possuir grande tradição em educação. Possui um campus da UFPE, e duas faculdades privadas, alem de várias escolas, públicas e privadas consideradas com boa qualidade de ensino fundamental, médio e superior destacando-se entre elas o campus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco – IFPE, antiga Escola Agrotécnica Federal, que forma profissionais das regiões da mata e agreste em cursos de Licenciatura em Química, Bacharelado em Agronomia, técnicos em agroindústria, agropecuária, agricultura, manutenção e montagem de computadores, segurança no trabalho e zootecnia.

Ensino superior público

No campi da UFPE, chamado de Centro Acadêmico de Vitória, iniciou suas atividades no município em agosto de 2006. Oferece à comunidade 5 opções de cursos de graduação: Nutrição – Bacharelado (70 vagas), Enfermagem – Bacharelado (70 vagas) e Ciências Biológicas – Licenciatura (60 vagas). O sistema de ingresso é por vestibular e oferecem 2 entradas por ano. No ano de 2011 foi aberto um novo curso, Licenciatura em Educação Física com 60 vagas. No ano de 2009 foi criado o 1º curso de pós-graduação Strictu Sensu (mestrado), na área de Saúde Humana e Meio Ambiente.

No ano de 2010 foi inicada a Primeira Turma do Programa de Residência Multiprofissional de Interiorização de Atenção à Saúde, aprovada pelo Ministério da saúde e educação, sendo uma especialização Latu Sensu (residência), na área de saúde pública.

Ensino superior privado

Atualmente existem duas faculdade privadas, Faculdade Escritor Osman da Costa Lins, (FACOL), e Faculdades Integradas da Vitória de Santo Antão (FAINTVISA), ambas com vários cursos de graduação e pós-graduação.

cidade santo antao

Geografia

Geomorfologia

A topografia da região é movimentada e irregular, principalmente em seu setor oeste, onde se fazem presentes os primeiros contra fortes da serra das Russas.
Na área urbana distingue-se, áreas situadas a altitudes elevadas, como as que abrangem os bairros residenciais do Livramento, Bela Vista, Alto José Leal, Caiçara,Nossa Senhora do Amparo,Pinga Fogo, Lidia Queiroz etc.

Hidrografia

O Município de Vitória de Santo Antão abrange porções superiores de importantes bacias hidrográficas da Zona da Mata do Estado de Pernambuco:
Bacia do Rio Tapacurá que corta o município e é um dos mais importantes afluentes do Capibaribe. Afluentes: Rio Natuba, Riacho Ronda, Pacas, Mocotó.
E as do Jaboatão que abastece a cidade de Moreno, Pirapama que nasce no município e pequena parte da Bacia do Rio Ipojuca servindo de limite com o município de Primavera.

Clima

O clima de Vitória de Santo Antão é o tropical, do tipo As’. O verão é quente e seco, com máximas entre 25°C e 36°C, com mínimas entre 17°C e 20°C. E tem invernos chuvosos e amenos, com mínimas entre 14°C e 17°C, com máximas entre 22°C e 26°C.

Vegetação

A mata úmida perenifólia, que caracteriza o município de Vitória de Santo Antão, é exuberante de folhagem verde escuro, rica em cipós.

História

Cidade de Braga

Em 1626 O português Antonio Diogo de Braga, vindo da Ilha de Santo Antão do Cabo Verde (Portugal), fixou residência com seus parentes e edificou uma capela em homenagem a Santo Antão da Mata.

Santo Antão da Mata

Em 1774, a cidade de Braga foi chamada de Santo Antão da Mata, quando já tinha população estimada em 4866 habitantes. Aos sábados eram realizados feiras livres, onde os moradores fabricavam seus produtos artesanalmente, para atender comboios que vinham do sertão de Minas para comprar esses gêneros.
Santo Antão da Mata, além de sua situação privilegiada em termos de cursos d’água, situava-se como ponto de passagem do caminho que de destinava ao São Francisco através do Vale do Mocotó. O povoado, nessa condição, deve ter tido um relevante papel comercial, no qual se destaca o fato de que “em suas feiras semanais, os tropeiros vendiam gado para o abastecimento de Olinda e Recife, além de rapaduras e mel (fabricados nas engenhocas da freguesia), pano de algodão, tecidos (em modestas oficinas domésticas) e etc.

Vitória de Santo Antão

Evoluindo sucessivamente da condição de povoação a freguesia, passando posteriormente à categoria de vila pelo alvará Régio de 27 de Julho de 1811, assinado pelo então Príncipe Regente D. João, a mesma foi oficialmente instalada em 28 de maio de 1812.

Do seu território, faziam parte as freguesias de Bezerros e Santo Antão, abrangendo uma grande extensão de terra. “correspondendo, hoje, as áreas ocupadas pelos municípios de Vitória de Santo Antão, Pombos, Chã Grande, Gravatá, Bezerros, Caruaru, Bonito, São Caetano, Sairé, Camocim de São Félix, São Joaquim, Barra de Guabiraba, Riacho das Almas e Cortês”.
Pela Lei Provincial nº 113, de 6 de maio de 1843, sancionada pelo Barão da Boa Vista, então Presidente da Província de Pernambuco, foi elevada a Cidade, tendo seu nome mudado para Cidade da Vitória, em homenagem à batalha ganha pelos pernambucanos sobre os holandeses no Monte das Tabocas. Este nome porém, não permaneceu devido a existência de um decreto-Lei que proibia a existência de duplicatas na toponímia nacional.

Após muita discussão, foi definitivamente aceito e reconhecido o nome da Vitória de Santo Antão, em 31 de dezembro de 1943, pelo decreto-lei estadual nº 952, para município, comarca, termo e distrito.

Turismo

Arquitetura

A arquitetura de Vitória de Santo Antão foi refletida diretamente da característica histórica que a cidade possui. Com o tempo as construções centenárias do local, foram infelizmente modificadas e até destruídas, sacrificando assim, a memória de um povo que já deu tanto valor a esta frutuosa terra.

cidade santo antao-2

Obras históricas

Sobradinho Mourisco (Rua Imperial, 81): considerado o único remanescente da povoação de Santo Antão da Mata. Prédio de Taipa, datado do início do século XVIII. Hoje infelizmente não é aberto a visitação, sua estrutura há muito tempo não é verificada. Embora seja a atual sede da Academia Vitoriense de Letras, Artes e Ciência, que, juntamente com o Instituto Histórico e Geográfico vem reclamando a reforma do local.

Estação Ferroviária: construído em 1886, já funcionou como 1ª parada de desembarque de passageiros e cargas com destino Recife-Caruaru. Hoje o prédio encontra-se conservado e aberto a visitações, onde funciona uma biblioteca e algumas oficinas culturais.

Instituto Histórico e Geográfico: verdadeiro cartão-postal da cidade da Vitória de Santo Antão, localizado a Rua Imperial 187, no bairro da Matriz. O prédio serviu de hospedagem a família Imperial Dom Pedro II e D. Teresa Cristina em 1859 em visita ao Estado. Erguido em 1851, o prédio chama atenção por seu revestimento em azulejo decorado.Fundado em dia 19 de novembro de 1950 é uma sociedade civil, de caráter cívico e cultural, sem fins lucrativos.

Açougue municipal: construído pela câmara municipal e inaugurado por ela no dia 6 de novembro de novembro de 1856. O açougue municipal é um espaço amplo com arquitetura caracterizada por arcos no seu interior. Hoje é um espaço muito mau tratado e seus banheiros se encontram em péssimo estado.

Mercado de Farinha: construção do ano de 1913, este edifício possui características idênticas ao do Açougue Municipal, com arcos no seu interior. Hoje se encontra arrodeado por barracas que comprometem sua fachada exterior. Monumento do Leão Coroado: reagindo à ordem de prisão que, pessoalmente, lhe dera o Brigadeiro português Barbosa de Castro, o Capitão da Artilharia José de Barros Lima matou-o com a sua espada, no quartel do Regimento, no dia 6 de março de 1817, motivando, com esse gesto ousado, o início da revolução republicana deflagrada em Pernambuco naquela data. Recebeu ele a alcunha (apelido) de “Leão Coroado”.

Ao comemorar, em 1917, o centenário desse memorável episódio da história pernambucana, o governo municipal da Vitória, então exercido pelo prefeito Eurico Valois denominou Praça Leão Coroado o antigo Largo da estação ferroviária com um monumento de um atleta, coroado com louros, subjugando possante leão, em homenagem ao bravo patriota de 1817, trabalho executado pelo escultor Bibiano Silva.
Monumento do Centenário em homenagem a Jesus Cristo. Ao encerrar-se o século XIX, grandes homenagens foram prestadas a Nosso senhor Jesus Cristo, por toda comunidade católica.

Sitio Histórico Monte das Tabocas

O Monte das Tabocas é uma área de aproximadamente 11 hectares, onde em 3 de agosto de 1645 foi palco de celebre batalha entre os luso-brasileiros e os holandeses os luso-brasileiros escusaram os holandeses do local. Os primeiros liderados por Antonio Dias Cardoso e João Fernandes Vieira entrincheirados nas partes altas e protegidos pelos tabocais, derrotaram os flamengos.
Cumprindo a promessa feita por Fernandes Vieira, foi inaugurado no dia 3 de agosto de 1945, dia do tricentenário da batalha das Tabocas, a Capela de Nossa Senhora de Nazaré, construída com pedras do local.

Em 9 de novembro de 1978, foi assinada uma escritura de desapropriação de parte da área que circunda o espigão principal. Na época da batalha a vegetação era composta por imensos bambuzais, sinônimo de tabocais, daí o lugar chamar-se Monte das Tabocas. Outra riqueza no Local era Pau-Brasil. Em 11 de março de 1986 o Governo estadual homologou o tombamento do sítio histórico.

Ciências

Vitória tem se destacado também nas ciências graças ao trabalho do pesquisador Dr. Valdir Antônio da Silva, cujas pesquisas resultaram em uma nova técnica para combater a diabetes, além de outros tratamentos naturais.
Também com a chegada da UFPE na cidade houve um grande desenvolvimento científico, com a execução de pesquisas, na sua maioria inéditas, juntamente com projetos de extensão, junto à sociedade.

Informações sobre Vitória de Santo Antão

Área 371,796 km² 2
População 130 923 hab. IBGE/20113
Densidade 352,14 hab./km²
Altitude 147 m

Vídeo sobre a cidade de Vitória de Santo Antão

Mapa da cidade de Vitória de Santo Antão

Fonte: www.encontrapernambuco.com.br