Recife
+30°C
 
PARTICIPE:
siga o EncontraPE no Facebook
siga o EncontraPe no twitter siga o EncontraPe no Google+
Follow Me on Pinterest
 
Recife
Está às margens do Oceano Atlântico.
5ª maior aglomeração urbana do do Brasil.
Metrópole mais rica do Nordeste.
Está entre as 65 cidades com economia mais desenvolvida dos mercados emergentes no mundo.
 

 

Nasceu em 2008 o pernambucano Encontra Pernambuco com a missão de ser o maior Guia de Bairros
e cidades de Pernambuco
Todos os bairros de Recife e cidades PE
“ aqui Pernambucano Encontra ”


::MENU::    Prefeitura | Parques | Restaurantes Recife | Hotel Recife | Pousada Recife | Telefones Úteis Recife

Foto Panorâmica PE - Foto Pernambuco

Sobre Recife

Recife é um município e capital do estado de Pernambuco, no Brasil. Com uma área de aproximadamente 217km², está localizado às margens do oceano Atlântico, e possui uma população de 1.546.516 pessoas. É sede da Região Metropolitana do Recife, a maior aglomeração urbana do Norte-Nordeste e quinta maior do Brasil, com 3,7 milhões de habitantes, além de terceira metrópole mais densamente habitada do país, superada apenas por São Paulo e Rio de Janeiro, e quarta maior rede urbana do Brasil em população.

Metrópole mais rica do Nordeste brasileiro, Recife desempenha um forte papel centralizador em seu estado e região, abrigando grande número de sedes regionais e nacionais de instituições e empresas públicas e privadas, como o Comando Militar do Nordeste, a SUDENE, a Eletrobras Chesf, entre outras, e com uma área de influência que abrange outras capitais, como João Pessoa, Maceió, Natal e Aracaju.

Recife foi eleita por pesquisa encomendada pela MasterCard Worldwide como uma das 65 cidades com economia mais desenvolvida dos mercados emergentes no mundo. Apenas cinco cidades brasileiras entraram na lista, tendo Recife recebido a quarta posição, após São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília e à frente de Curitiba.

A cidade destaca-se por possuir o maior parque tecnológico do Brasil, o Porto Digital; o maior número de consulados estrangeiros fora do eixo Rio-São Paulo, sendo inclusive a única cidade, com exceção de São Paulo e do Rio de Janeiro, que tem consulado dos Estados Unidos; o segundo maior polo médico do Brasil; o melhor aeroporto do Brasil, o Aeroporto Internacional do Recife; o nono maior número de arranha-céus das Américas, superada apenas por Nova Iorque, São Paulo, Rio de Janeiro, Toronto, Buenos Aires, Cidade do México, Chicago e Caracas;

Com um grande potencial turístico e forte vocação para o turismo de negócios, frequentemente é escolhida como sede de diversos eventos, como simpósios, jornadas e congressos: a Região Metropolitana do Recife foi o terceiro polo de eventos internacionais no Brasil em 2011, atrás somente de São Paulo e do Rio de Janeiro, graças ao desempenho do Recife e de Porto de Galinhas.

Etmologia

O nome "Recife" provém da palavra "arrecife", grande barreira rochosa de arenito (recifes) que se estende por toda a sua costa, formando piscinas naturais.
Geralmente, o nome do município dentro de frases é antecedido de artigo masculino, como acontece com os municípios do Rio de Janeiro, do Crato, do Cabo de Santo Agostinho e outros.

História

Até a chegada dos portugueses, no século XVI, a região da atual cidade do Recife era ocupada pelos índios caetés. O atual município do Recife tem sua origem intimamente ligada ao município de Olinda. No foral (carta de direitos feudais) de Olinda, concedido por Duarte Coelho em 1537, há uma referência a "Arrecife dos navios", um lugarejo habitado por mareantes e pescadores. O Recife permaneceu português até a independência do Brasil, com a exceção de um período de ocupação holandesa entre 1630 e 1654.

Durante os anos anteriores à invasão da Companhia das Índias Ocidentais, o povoado do Recife existiu apenas em função do porto e à sombra da sede Olinda, local que a aristocracia escolheu para residir devido à sua localização elevada, que facilitava a defesa. Ergueram-se fortificações e paliçadas em defesa do povoado e do porto do Recife, todas elas voltadas para o mar. Os temores voltavam-se para o oceano por conta dos constantes ataques ao litoral da América Portuguesa pela navegação de corso e pirataria. Ainda no final do século XVI, o "povo dos arrecifes" foi atacado e saqueado pelo pirata inglês James Lancaster que, com três navios, derrotou a pequena guarnição responsável pela defesa do porto. Entre os anos de 1620 e 1626 o então governador Matias de Albuquerque procurou estabelecer posições fortificadas no porto do Recife a fim de que se pudesse evitar outro ataque como aquele, bem como dissuadir a Companhia das Índias Ocidentais da ideia empreendida na Bahia em 1624.

No Recife holandês, foi iniciada a construção de Mauritsstad (Cidade Maurícia, ou Mauriceia). O Recife foi a capital do Brasil Holandês durante 24 anos, tendo sido governada de 1637 a 1644 pelo conde alemão

Com a colônia holandesa tomada pelos portugueses, os judeus receberam um prazo de três meses para partir ou se converter ao catolicismo. Com medo da fogueira da Inquisição, quase todos venderam o que tinham e deixaram o Recife em 16 navios. Parte da comunidade judaica expulsa de Pernambuco fugiu para Amsterdã, e outra parte se estabeleceu em Nova York.

As Batalhas dos Guararapes, episódios decisivos na Insurreição Pernambucana, são consideradas a origem do Exército Brasileiro. Em 15 de maio de 1645, reunidos no Engenho de São João, 18 líderes insurretos pernambucanos assinaram compromisso para lutar contra o domínio holandês na capitania. Com o acordo assinado, começa o contra-ataque à invasão holandesa. A primeira vitória importante dos insurretos se deu no Monte das Tabocas, onde 1200 insurretos mazombos armados de armas de fogo, foices, paus e flechas derrotaram numa emboscada 1900 holandeses bem armados e bem treinados.

Por fim, Olinda foi recuperada pelos rebeldes. Cercados e isolados pelos rebeldes numa faixa que ficou conhecida como Nova Holanda, indo do Recife a Itamaracá, os invasores começaram a sofrer com a falta de alimentos, o que os levou a atacar plantações de mandioca nas vilas de São Lourenço, Catuma e Tejucupapo. Em 24 de abril de 1646, ocorreu a famosa Batalha de Tejucupapo, onde mulheres camponesas armadas de utensílios agrícolas e armas leves expulsaram os invasores holandeses, humilhando-os definitivamente. Esse fato histórico consolidou-se como a primeira importante participação militar da mulher na defesa do território brasileiro.

No início do século XX, o Recife era ainda uma cidade muito influente: só perdia em importância política e econômica para o Rio de Janeiro. Iniciou-se um período de agitação cultural, e a Belle Époque mostrou a busca de novas linguagens para traduzir as velozes mudanças trazidas pelas novas técnicas. Os recifenses tinham até os meados do século uma forte influência cultural francesa. Nos anos 1910, o Recife pretendia se tornar uma cidade moderna, tal como Paris, através da reforma do porto e construção de largas avenidas, sem preocupação com a preservação dos edifícios históricos. Como em todo o Brasil, o modernismo não afetou as graves diferenças sociais.

Em 1934, Pernambuco assume posição inovadora ao contratar Burle Marx e o arquiteto Luiz Nunes. O bairro de Boa Viagem tornou-se um local onde a elite recifense possuía casas de veraneio já no início do século. Na década de 1950 ganhou o Recife o contorno urbano atual, com o crescimento populacional ocasionado pela migração de pessoas do interior do Estado e a extinção dos mocambos, obrigando a população pobre a viver nos morros. A cidade já buscava mostrar uma perspectiva positiva de si, escondendo as mazelas sociais.

Geografia

Recife é a capital do sétimo estado mais populoso do Brasil, Pernambuco, a área original do município é controversa, e varia conforme fonte de dados. A própria prefeitura oferece 219Km² e o IBGE indica 218km².

Suas cidades limítrofes são Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata, Camaragibe, Paulista e Olinda. A cidade do Recife está situada sobre uma planície aluvional, constituída por ilhas, penínsulas, alagados e manguezais envolvidos por 5 rios: Beberibe, Capibaribe, Tejipió e braços do Jaboatão e do Pirapama, conferindo-lhe características peculiares. Essa planície é circundada por colinas em arco que se estendem do norte ao sul, de Olinda até Prazeres.

Clima

O Recife tem um clima tropical, com alta umidade relativa do ar. Apresenta temperaturas equilibradas ao longo do ano devido à proximidade com o mar.
Janeiro possui as temperaturas mais altas, sendo a máxima de 30°C e a mínima de 22°C, com muito sol. Julho possui as temperaturas mais baixas, sendo a máxima de 27°C e a mínima de 20°C, com muita precipitação. Nos dias mais quentes do verão a temperatura pode chegar a 35°C em alguns bairros, e a mínima ser de 25°C. Nos dias mais frios, a temperatura máxima pode ser de 23°C, e a mínima ser de 16°C.

Hidrografia

O Recife é conhecido como "Veneza Brasileira" graças à semelhança fluvial com a cidade europeia de Veneza. Cercado por rios e cortado por pontes, é cheio de ilhas e mangues. Ali acontece o encontro dos rios Beberibe e Capibaribe que deságuam no Oceano Atlântico.

Cultura

Recife deu origem a nomes notórios do teatro, cinema e televisão, como Marco Nanini, Virgínia Cavendish, Guilherme Berenguer, Patrícia França, Arlindo Grund, Guel Arraes, João Falcão, Armando Babaioff, Anthero Montenegro, Tuca Andrada, Fabiana Karla, Carmem Verônica, Rebecca da Costa, Lucy Ramos, dentre outros tantos.

Vale citar artistas que se consideram recifenses, como é o caso do DJ Dolores e da cantora Karina Buhr. Também são recifenses modelos de grande destaque internacional, como Arthur Sales, Isabella Melo, Rhaisa Batista, entre outros. Já Romero Britto, Vicente do Rego Monteiro, Francisco Brennand, Aloísio Magalhães, Andree Guittcis, entre outros nomes oriundos da capital pernambucana, alcançaram grande notoriedade nas artes plásticas e design.

Música

Frevo, manifestação oriunda do Recife. Enquanto música, é um dos gêneros mais influentes do país: revelou grandes músicos da MPB e, além de símbolo do Carnaval Recife/Olinda, foi o ritmo utilizado no Carnaval de Salvador antes do surgimento da axé music. O frevo foi declarado Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

As manifestações culturais mais relevantes de Pernambuco ocorrem na capital, ressaltando-se o Movimento de Escritores Independentes de Pernambuco, que na década de 1980 reuniu grande número de poetas; o Abril Pro Rock, que surge como revelador do Movimento Manguebeat; entre outros.

O Frevo, um dos principais gêneros musicais e danças do Recife e símbolo do Carnaval Recife/Olinda, se caracteriza pelo ritmo acelerado e pelos passos que lembram a capoeira. Esse gênero já revelou e influenciou grandes músicos. Antes da criação da axé music na década de 1980 o frevo era utilizado também no Carnaval de Salvador.

Nos anos 90 surgia no Recife o Manguebeat, movimento da contracultura que mistura ritmos regionais, como o maracatu, com rock, hip hop, funk e música eletrônica. O movimento tem como principais críticas o abandono econômico-social do mangue, a desigualdade de Recife.

O Manguebeat, gênero musical recifense que despontou na cena underground dos anos 90, revelou e influenciou diversos grupos musicais e artistas pernambucanos, como Chico Science, Nação Zumbi, Otto, Mundo Livre S/A, Cordel do fogo encantado, Mestre Ambrósio, Fred Zero Quatro, entre outros. O manguebeat foi criado pelo guitarrista Robertinho do Recife.

O manguebeat tem como ícone o músico Chico Science, ex-vocalista, já falecido, da banda Chico Science e Nação Zumbi, idealizador do rótulo mangue e principal divulgador das ideias, ritmos e contestações do manguebeat. Outro grande responsável pelo crescimento desse movimento foi Fred Zero Quatro, vocalista da banda Mundo Livre S/A e autor do primeiro manifesto do Mangue de 1992, intitulado "Caranguejos com cérebro".

Gastronomia


Recife é o terceiro polo gastronômico do Brasil e a terceira cidade em número de restaurantes estrelados pelo exigente Guia Quatro Rodas no país, atrás somente de Rio de Janeiro e São Paulo.

Na cozinha pernambucana existem elementos herdados dos povos africanos, indígenas e europeus. Diversas receitas originais provenientes de outros continentes foram adaptadas com ingredientes encontrados com facilidade na região. Existem vários pratos e petiscos típicos e muito apreciados em Pernambuco, como a carne de sol, o queijo coalho, o arrumadinho, o escondidinho, o sururu, a caldeirada, o cozido, o caldinho de peixe ou camarão, a peixada pernambucana, o chambaril, o charque à brejeira, o bredo de coco, o quibebe, a tapioca, o angu, o mungunzá salgado, o sarapatel, a buchada e o feijão de coco, entre outros.

Entre as sobremesas típicas do Estado podemos citar o bolo de rolo, o bolo Souza Leão, o bolo pé de moleque, o bolo de macaxeira, o bolo de mandioca, o bolo barra branca, a cartola, o nego bom e o sorvete de tapioca. No São João as comidas de milho estão presentes na pamonha, na canjica, no bolo de milho, no mungunzá doce, dentre outras iguarias.

Turismo


O Recife atrai turistas de todo o mundo. Destacam-se entre os motivos desta atração as manifestações culturais como o Carnaval e o São João. O Recife é o portão de entrada do litoral de Pernambuco de onde partem os turistas que chegam de avião.

O Recife é um município multicultural, com músicas e danças de origem africana, indígena e brasileira em seu carnaval. O bairro do Recife é o principal conjunto arquitetônico e cultural do município, abrigando galerias, museus e outros espaços culturais.

A cidade abriga a maior agremiação carnavalesca do mundo - o Galo da Madrugada, no qual se estima que participem dois milhões de pessoas (mais que a população do município) vindas de várias partes do Brasil e do mundo.

Num passeio de barco é possível conhecer o Parque das Esculturas de Francisco Brennand. Existe, também, o museu do Instituto Ricardo Brennand. O litoral do município é completamente urbanizado, com as praias de Boa Viagem, Pina e Brasília Teimosa.

Índice

Dados

Fundação 12 de março de 1537
Gentílico recifense
Prefeito(a) Geraldo Júlio (PSB)
(2013–2016)

Brasão de Recife

Bandeira de Recife

Localização

Estado Pernambuco
Mesorregião: Metropolitana do Recife
Microrregião: Recife
Região metropolitana: Recife
Municípios: Jaboatão dos Guararapes, São Lourenço da Mata, Camaragibe, Paulista e Olinda

Características geográficas

Área 217,494 km²
População
1 555 039 hab. - est. IBGE/2012
Densidade
7 149,8 hab./km²
Altitude
4 metros
Clima
tropical
Fuso horário UTC-3

Indicadores

IDH 0,797 - médio PNUD/2000
PIB R$ 30 032 003 mil (BR: 14º) IBGE/2010
PIB per capita R$ 19 540 20 IBGE/2010